Search
  • Felipe Bernardo Theodoro

Sendo um conduíte de melhores ideias e perdendo nosso nariz



A tarefa não é buscar o amor, mas apenas procurar e desfazer todas as barreiras dentro de si mesmo que você construiu contra ele. - Rumi

Você já se pegou patinando em um problema por muito tempo, só para se encontrar se sentindo cada vez mais estressado e confuso, mas ainda sim acreditando fielmente que é você quem precisa descobrir o que fazer se não algo ruim vai acontecer, até que você fica exausto, joga tudo pro ar e desiste de tudo?


E aí, momentos depois que você desistiu de controlar tudo e deixou levar, enquanto estava relaxado você teve uma boa ideia - talvez até uma ideia bem óbvia - sobre como lidar com aquele problema?


Este artigo foi criado da minha exploração ao tentar entender o que acontece quando temos boas ideias, da onde elas vem e o que nos obstrui do nosso potencial de seguir em frente e superar situações aparentemente difíceis de serem lidadas.


Boa lida!

Há muitas coisas que não sabemos que vamos descobrindo ao longo das nossas vidas. E eu não me refiro à descobrir algo novo no mundo externo, eu me refiro às realizações que temos diversas vezes de dentro para fora. Aqueles momentos em que vemos as coisas com novos olhos e com uma sabedoria mais profunda, maneiras novas e melhores de lidar com nossas vidas que até então não tínhamos percebido.


Todos nós temos um potencial infinito dentro de nós. Na realidade, nós somos muito mais capazes do que pensamos ser. Nós temos uma inteligência que nos ajuda a cada momento, nos trazendo novos insights, maneiras criativas de lidar com o mundo, nos trazendo de volta ao momento presente e nos dando novas ideias, ideias frescas e úteis que nos ajudam a navegar as nossas vidas.


Na verdade, nós somos feitos desta inteligência. Pode notar, no nosso corpo é a capacidade inata de curar machucados sem qualquer controle nosso, de bombear o nosso sangue na medida perfeita para o corpo todo ou a capacidade do nosso cérebro de absorver milhões de informações por segundo e transformar todas elas para que possamos experienciar nossas realidades através dos nossos sentidos. Nada disto estamos controlando, nada disto nós forçamos acontecer, simplesmente acontece. Nosso corpo está sempre voltando ao melhor estado de funcionamento que pode ter.


O mais interessante - que nós geralmente não observamos - é que esta mesma inteligência age na nossa mente. Nós temos momentos em que estamos incrivelmente estressados, parece que carregando todo o mundo na nossas costas, até que do nada percebemos que estamos muito presos e temos o bom senso de deixar tudo isso levar, é quando naturalmente a nossa mente esvazia e volta ao seu estado natural de fluidez. E é aí quando temos nossas melhores ideias, estamos mais em contato com nossa sabedoria e bom senso, em outras palavras, somos mais inteligentes.


E quando eu falo sobre "inteligência" eu não me refiro ao intelecto, não é sobre a nossa capacidade de analisar informações e processarmos tudo a nossa volta - nosso intelecto, na verdade, muitas vezes nos distancia desta inteligência inata. Eu falo sobre uma inteligência impessoal, a essência de quem somos. Esta força da natureza que faz uma semente virar árvore, os planetas girarem perfeitamente em suas órbitas e uma pessoa ter uma ideia completamente inovadora repentinamente do nada.


É este potencial infinito que já temos: eu aposto que você já experienciou diversos momentos na sua vida em que não acreditava que poderia fazer algo e fez, ou quando não sabia como lidar com algo novo e de repente percebeu uma maneira inteligente de lidar com aquilo, ou quando percebeu que dar voz aos seus pensamentos bravos, mesquinhos e violentos em seus relacionamentos não era uma boa ideia.


Perdeu o seu nariz?


O melhor de tudo isso é que, se somos feitos desta inteligência, se esta força da natureza realmente já existe dentro de nós e de nossa mente, então nós não precisamos CONQUISTAR inteligência. Não precisamos nos forçar a ser mais sábios, mais criativos ou termos melhores ideias. Porque é como pensar que perdemos nosso próprio nariz e sair correndo procurando, só para perceber depois de muito tempo que ele sempre esteve na nossa cara o tempo todo. Depois que percebemos que nunca o perdemos, nós podemos relaxar e deixar que ele funcione naturalmente.


Com a nossa mente é a mesma coisa, nós pensamos que precisamos nos esforçar cada vez mais para sermos melhores, mais sábios, mais espertos e confiantes para que então possamos resolver problemas, superar situações ou lidar com o nosso futuro incerto. Mas na verdade nós sempre tivemos uma inteligência inata que nos guia com pensamentos úteis a cada momento presente de nossas vidas. O único problema é que pensamos que não temos isso, acreditamos que "Se é para acontecer sou EU que tenho que fazer!", achamos que é o nosso pequeno ego que precisa tomar conta e controlar tudo, se não nada de bom acontece.


Quando simplesmente percebemos - ao refletir e explorar isto - que sempre tivemos uma inteligência que vem de dentro e que sempre nos ajuda com pensamentos úteis e insights novos, então paramos de procurar, descobrimos que nunca a perdemos, nós podemos relaxar e deixar que ela funcione naturalmente. Nós começamos a confiar mais no nosso bom senso e menos no nosso estresse.


A única coisa que nos afasta do nosso potencial em lidar com qualquer situação é o nosso pensamento, ou melhor, quando estamos muito apegados à ele.

Nossos pensamentos criam nossas realidades temporárias e experienciamos elas através dos nossos sentidos. É por isso que o mesmo problema as vezes parece uma questão de vida ou morte e as vezes uma oportunidade de crescimento. Um relacionamento parece impossível ser mantido até que a nossa mente clareia e vemos o mesmo relacionamento com compaixão e esperança.


Nossos pensamentos inúteis e inseguros nublam a nossa visão como uma caverna se fechando, impedindo a luz de passar. A luz neste caso é nossa inteligência que nos faz experienciar qualidades mais positivas como amor, criatividade, inovação, sabedoria, paz, contentamento, esperança e compaixão.


Então como experienciar mais esta inteligência?


Quando estamos realmente presentes em nossas vidas, nós pensamos menos no nosso ego e mais no momento, isto facilita toda a nossa melhor sabedoria e inteligência a ser usada. Passamos a reagir menos a partir do nosso condicionamento e mais a partir deste potencial criativo. Então o ponto principal é viver no agora, sem se apegar nos pensamentos do passado ou do possível futuro.


A nossa atenção está o tempo todo mudando sem o nosso controle, então naturalmente vamos nos distrair quando nossa atenção está no passado ou futuro e paramos de focar no momento de agora. Mas não tem problema, nós simplesmente precisamos notar quando estamos presentes (mentes mais vazias e claras) e quando não estamos.


Quando estamos presentes estamos naturalmente em um estado de flow, nossa experiência está o tempo todo mudando e não nos apegamos à nada, simplesmente fazemos o melhor que podemos a cada momento e deixamos levar. Nos agimos com bom senso e com uma leveza, nós somos muito mais produtivos, criativos energizados e felizes.


Quando não estamos presentes basicamente estamos analisando tudo em nossa mente, duvidando sobre o que fazer, remoendo o que foi ou hesitando sobre o que vai ser, vivemos com medo, inseguros, estressados, tensos e com menos produtividade, criatividade e felicidade. São por exemplos aqueles momentos em que nos preocupamos em demasia quando não conseguimos contatar alguém, com medo de que algo terrível aconteceu, só para depois perceber que o a pessoa estava ótima e seu telefone estava só sem bateria.


Ao notarmos o quão inútil é seguir o nosso estresse e preocupações quando analisamos tudo a nossa volta, naturalmente voltamos a agir a partir da nossa inteligência, vivemos no momento presente e temos melhores ideias. A natureza da mente é ser mais vazia e fluida, nós é que - por não entender como ela funciona - a usamos incorretamente ao nos apegar em pensamentos inseguros.

Nos próximos dias, tente simplesmente notar a sensação de quando você está mais relaxado, presente e em um estado de flow, e quando você está se apegando ào estresse, insegurança e em um estado analítico. Não se martirize quando estiver estressado, simplesmente note o que acontece e observe sua mente naturalmente voltando à um estado mais claro, tranquilo e criativo.

Um abraço,

Felipe

8 views0 comments